Vídeos

 

Cinco anos se passaram, tudo começou exatamente para onde hoje dia 03 de agosto, estamos viajando. A ansiedade foi enorme nestes últimos dias, parecíamos crianças esperando o dia da colônia de férias, nós marmanjos vividos, cansados de conhecer recantos da Terra que muitas vezes poucos foram aqueles que se aventuraram a empreender nem tão somente um quilometro de curiosidade, hoje chegávamos ao fim de uma espera e ao mesmo tempo ao princípio de uma nova aventura, deste que se intitula “Harley’s Dog’s MC”.

  Fotos: Baltasar

     Muitos são aqueles que conhecem este MC, poucos são aqueles que sabem o espírito e a identidade particular que ele possui. Os HD não são nada mais, neste frio espaço do Aeroporto do Galeão, que um bando de 13 homens contentes como crianças, que brilham os olhos esperando conquistar seu espaço em tão minúsculo e desconfortável avião, rumo a mais uma conquista... A Conquista da América do Norte.  Passaram-se aproximadamente 900 dias desde os primeiros 10.000 km rodados, conquistando a América do Sul, e hoje nos sentimos verdadeiros desbravadores esperando o começo destes aproximados 6.000 km pelos EUA.

  

Vinte e Quatro horas se passaram, entre a chegada ao aeroporto do Galeão, Miami, Orlando, Kansa e por fim Las Vegas. O cansaço é visível em cada rosto, mas a alegria de dividir essa aventura entre 13 irmãos queridos é mais forte que qualquer desconforto.

 

Piadas foram feitas para se contar, e ninguém melhor que o nosso querido Roriz para fazer com que as horas passem sem serem percebidas, e no aeroporto de Miami, pergunta o amável funcionário do aeroporto, recolhendo a mala de um HD e levando-a para a esteira:

- “Orlando?”

E responde inocentemente o nosso irmão:

- “Não! Ishii da Silva.

Alegria beirando a fantasia de piadas repentinamente jogadas ao ar, que fazem com que quase acreditemos que realmente as estórias criadas pelo nosso Roriz, sejam verdade, até o próprio Ishii, não se conteve em rir de tamanha criatividade.

Las Vegas já é avistada pela minúscula janela do avião, a impressionante arquitetura Holywoodiana, encravada em um deserto que se perde no horizonte é impressionante. Uma minúscula cidade no meio do verdadeiro “nada” cheia de requinte, beleza e grandeza, onde os olhos não conseguem distinguir tão variadas marcas de carros, tipos de pessoas, cenários inacreditavelmente criados para o esplendor dos turistas.

Fotos: Maurício Fazzi

Aproveitamos essa maravilhosa cidade e fomos visitar a maior loja da Harley Davidson do mundo.

Colocamos pé na estrada e saímos em direção ao Arizona, em meio a subidas e descidas, nos deparamos com uma construção que foi considerada em sua época (1911) como uma maravilha da engenharia, a grande represa do Gran Canyon HOOVER DAM, que recebeu esse título  devido aos métodos usados na época onde o maior desafio era conter a enorme pressão que o Rio Colorado exercia sobre ela.

 

Como sempre não poderíamos desperdiçar tal imagem, e aproveitar para tirarmos fotos dos Dogs em mais uma situação histórica para o nosso MC.

Continuamos o nosso caminho em direção a Flag Staff, cidade conhecida por ter sido moradia do grande Astrônomo Percival Lowell, que realizava estudos significativos dos planetas, criando em sua época a teoria da existência de Plutão (que este mês no dia 24 em Praga a União Astronômica Internacional decidiu tirar a condição de Planeta Plutão para classifica-lo como Planeta Anão, com isso o Sistema Solar volta a ter 8 Planetas, já que Plutão foi considerado pequeno demais, menor que a lua, para ter tal classificação), fundando o Observatório Lowel, em 1894. Infelizmente ficamos em bom hotel, porém, havia uma linha de trem que cruza a cidade, e as benditas máquinas tinham a mania de tocar a maravilhosa buzina em um cruzamento que ficava a poucos metros do hotel, e passamos a noite inteira pensando que eles passavam bem abaixo de nossas camas. Nossa primeira baixa, o Julio, estava com uma febre alta, acabando com o passeio desse nosso querido irmão, mas graças a um montão de remédio que lhe enfiamos goela abaixo, a febre começou a regredir, e consequentemente a dor de estomago começou a aparecer, mas tudo tranquilo, porque também tínhamos remédio para gastrite.

Seguimos no dia seguinte em direção ao Gran Canyon, passamos logicamente pela legendária Rota 66, para deixarmos mais uma marca dos Dog’s em outro símbolo mundial. 

 

Ao nos deparar com as imagens do Gran Canyon, percebemos o porque esta falha geográfica deve ser considerada como uma maravilha do mundo moderno. São inexplicáveis os tipos de rochas, solos e formações encontradas neste mundo inóspito, nos acotovelamos com um grande número de turistas que brigavam para posar para uma foto que retrataria um instante daquele momento inesquecível.

Fotos: Hebert

A curiosidade foi maior do que o esperado, e parte do nosso grupo (Peter, Renato, Julio, Ivan e Balta) resolveram fazer um vôo panorâmico pelo local, e sinceramente, foram os 30 minutos inesquecíveis, ver aquela maravilha de cima com o Rio Colorado cortando todo o Canyon, ficou marcada como algo que não se esquece nunca na vida.

Claro que marcamos um ponto de encontro com o resto do grupo, mas... se encontraram na hora marcada o Urso Branco, Flexa azul e Tartaruga Manca. Há! Claro não expliquei o que significa isso, pois ai vai: - Urso Branco – Hummer H2 do trio: Peter, Renato e Baltasar; - Flexa veloz – Van Pontiac com o quinteto: Robertinho, Fazzi, Kappa, Roriz e Julio; - Tartaruga Manca – com outro quinteto: Didi, Hebert, LP, Ishii e Ivan. Daí os simpáticos apelidos, o “Urso Branco” porque o veículo era grande e branco, e sempre estava na frente já que possuía “Never Lost”; Flexa Veloz, porque por vezes adiantava todo mundo e se perdia na dianteira louco e desorientado; e por último sem maiores detalhes o “Tartaruga Manca” porque sempre ficava atrás seguindo firmemente os limites de velocidade das estradas, e as vezes exagerando um pouco. 

 

Voltando então ao ponto de encontro no Gran Canyon, estávamos já prontos para partir quando... nos demos conta de que o “Tartaruga Manca”, havia esquecido dois membros no parque (Ishii e LP), e claro tiveram que retornar e buscar os pobres “esquecidos”, logicamente são pequenos detalhes que não podem passar despercebidos, e claro devemos deixar bem claro quem era o responsável pelo grupo de cada carro: do Urso Branco o Peter; do Flexa Veloz o Robertinho; e do Tartaruga Manca o nosso querido Hebert.

Após este pequeno incidente, partimos em direção a Moad cidade marcada pelos grandes eventos de montanhismo, escaladas, cross e rafting no Rio Colorado.

 

No caminho encontramos tudo de belo que existe no “Indian Reserve Navajo”, um deserto sem igual que nos presenteia com imagens dignas de maravilhosas fotos. 

 Fotos: Peter

No dia 8 estávamos novamente na estrada agora em direção a Aspen, a principal cidade dos EUA no que se refere a esqui, a cidade exala um ar de exuberância, onde vemos antes de cruzar os portões da mesma, um aeroporto repleto de aeronaves em sua maioria particulares, expondo assim o tipo de visitantes que trafegam pelas suas calçadas tão limpas e adornadas com luxuosas boutiques. Passamos um dia maravilhoso, explorando seus pontos turísticos e almoçando em um suntuoso restaurante Italiano (Gusto), onde saboreamos uma ótima comida italiana (ao gosto do nosso itálico Renato), com um preço muito acessível.

 

Em direção a Rapid City resolvemos ir pela estrada que passa pelas Rocky Montains, paisagens lindas que no verão mostram a beleza de seus rios, cortando uma floresta de pinhos, que enfileirados se perdem até o sopé de montanhas que teimosas ainda mantém pequenos blocos de neve que resistem ao intenso calor que cerca a floresta. Imagens que pedem fotografias dos Dog’s, e claro que não podemos em momento algum deixar de satisfazer os caprichos da natureza. Paramos diversas vezes nos zigue-zagues da estreita estrada para registrar cada detalhe, e em uma dessas paradas a câmera filmadora é abandonada em cima do Flexa Veloz, e como se pedindo para não ser destruída, se mantém agarrada por um milagre, até que o Tartaruga Manca vê o desespero de tal objeto, e claro... recolhe a mesma e o pobre Baltasar o que a esqueceu, sofre na mão de seus irmãos, principalmente na do Renato, que não parava de reclamar e dizer: - “a máquina é do meu filho, como iria explicar tal desaparecimento?”.  

 Fotos: Renato  .

Estas pequenas estradas eram o paraíso de cidades tipicamente americanas, algumas eram tão bonitas que éramos obrigados a disparar as nossas máquinas fotográficas, no intuito de registrar todos os detalhes existentes, como abaixo a Leadville.

 

No meio da tarde chegamos a pequena cidade de Lusk a 100 milhas de Rapid City, uma cidade de transito, onde resolvemos ficar já que nosso hotel somente tinha reserva para o dia posterior. Aproveitamos a noite para visitarmos um verdadeiro Sallon com seus hamburgers e um Ribs “especial”, claro que poucos de nós vimos a cozinha do estabelecimento, que realmente era algo não esperado em um país do primeiro mundo, o cozinheiro era algo inexplicável assim como o atencioso garçom, porém, já que era para curtir os hábitos da cidade, vamos em frente e esqueçamos a higiene e tudo o mais que a saúde pública brasileira tanto exige dos nossos bares e restaurantes.

  

Claro que usamos o meio de transporte que nos foi oferecido pelo nosso Motel, e não necessitávamos de nada melhor já que a cidade não tinha mais que 6 quarteirões para serem cruzados entre o Motel que ficava no começo da cidade e o Bar Silver Dólar que ficava na outra extremidade, onde além de comer assistimos um conjunto de country que se animou ao saber que ali estavam 13 brasileiros curtindo a boa música.

 

Bom já era hora de chegarmos a Rapid City, dia 10 desembarcaram os 13 Dog’s na cidade em que dormimos os seguintes 4 dias, para curtir nada mais que o encontro de Sturgis de Harley Davidson, cenário fantástico de uma diversidade de motos e motociclistas jamais visto por muitos dos Dog’s, um encontro digno de ser contemplado por qualquer aficionado por motocicleta.

Fotos: Ivan

 

Muito bem descreveu o nosso irmão Peter em sua crônica:

 

  STURGIS  AONDE O SILENCIO SE TRANSFORMA EM HARLEY.

 

Acabou-se depois de 01 ano de preparativos pois os mesmos começam assim que a ultima  Harley

deixa a Cidade .De repente um ronco de Harley ecoa solitário por toda Junction Avenue e o motociclista  olha em sua volta completamente perplexo!Este lugar não pode ser a Cidade aclamada mundialmente

como Sede do maior encontro de moto do Mundo!Todos conhecem a visão de Sturgis como um mar de motos,vestimentas pretas,loucas mulheres idosas com seus peitos caídos a mostra e onde as rápidas e barulhentas festas acontecem por dias sem fim. Será este local a Meca de todos os motociclistas. Esta linda cidadezinha de interior com suas lojinhas repletas de canteiros de flores  e suas velhas Senhoras olhando as vitrines em Main Street? Cidade certa ,Semana errada pois 51 semanas do ano Sturgis população de 70.000 habitantes e uma respeitável e conservadora cidade do meio oeste americano,Sede do Condado de Meade Country onde fazendeiros rednecks(caipiras) vem para pagar suas contas e impostos e talvez comprar algum implemento agrícola o Jornal semanal ainda publica noticias de quem recebeu para jantar no ultimo sábado. Somente então na segunda semana de agosto que Sturgis se transforma e recebe o maior encontro de Motos do Mundo!

Qualquer outra semana do ano Sturgis recebe visitantes interessados na historia Americana e na luta de bandidos e mocinhos durante a corrida do ouro .Sturgis foi fundada como cidade apoio a Cavalaria Americana estacionada no Forte Meade que foi construído em 1878 para dar proteção e apoio aos caçadores de ouro  que invadiram as Black Hills em busca de fortuna.

O Forte ainda existe intacto,você pode caminhar e observar o pátio de cavalaria as construções de estuque onde ficavam os estábulos,e as casas de oficiais.

A oeste de Sturgis uma montanha solitária de 1000m de altura se destaca na planície sem fim ,e Bear Butt uma maravilha geológica e sagrada para os índios daquelas planícies.

Voltando para Sturgis as coisas são mais quentes você pode visitar o Pocker Alice House  onde ainda existe a sala de jogos e o bordel da famosa Puta Alice que fumava charuto e aliviava os soldados da cavalaria Americana de seus soldos. Bem chega de historia vamos voltar para o presente duas semanas antes de começar o Encontro Sturgis se transforma,centenas de mascates chegam com seus Trailers e barracas ,Átrios de Igreja  se transformam em cafeterias, jardim de casas em Camping. A mesma loja que vende roupas de festa se transforma em um empório que vende camisetas,coletes e casacos de couro. A loja de ferragem da esquina se transforma em loja de acessórios para Harleys. E quando os motociclistas começam a chegar mais de 500.000

Sturgis se transforma na CIDADE MUNDIAL DA MOTOCICLETA,por uma semana bikers de todos os tipos ,coxinhas ,badboys e indecisos de  todas as partes do mundo convergem para esta mágica cidade. Tem de tudo,

Milhares de Harleys,motos de exibição, choppers,motocross rigs , shovels e panheads e também as chamadas rat bikes que são as trash bikes presas com arame. E um desfile continuo de quatro pistas na Main Street,barulho gostoso e continuo do ronco das harleys com seus cromados, QUE ESPETÁCULO!!!!!

São pessoas com aspecto pouco convencional ,barbas  estranhas,tatuagem,carecas e mulheres com peito de fora,mas não se iludam por trás destas barbas, tatuagems e bundas e peitos de fora estão artistas famosos como jay leno,Tom Crusie, Bob Dilan , Bruce Springsteen , Empresários,diplomatas,donas de casa,policiais e ate mesmo pastores de igreja e ate Rabinos. Por uma semana todos tem o lema de Nascer para ser Selvagem!.

A semana toda esta repleta de atrações ,bate e voltas,corridas de shorttracks, corridas de drags, dubles em ação,

Feiras Comerciais,Hill Races, Corridas Pro-Am e como não poderia faltar inúmeros Concerto de Rock com varias atrações como Alice in Chain , AeroSmith e outros. Legal também e encontrar velhos amigos dançar fazer uma nova tatuagem,comprar camisetas ou um couro novo,e as pecas tem muita coisa!

UMA COISA E CERTA E PURA DIVERSÃO POR UMA SEMANA.

De repente tudo acabou,meio de agosto continua um calor infernal,esta na hora de guardar os casacos de couro e ir para Sturgis atrás de Historia de Índios e Bandidos ou olhar aquelas vitrines poeirentas que existem por la.

Ate o ano que vem .

 

PS- esta pequena Crônica e minha homenagem e dos Dogs que foram a Sturgis aos nossos irmãos que não puderam ir este ano mas que com certeza la estarão no próximo ano

 

Peter

Fotos: Ivan

Claro que nem tudo pode ser perfeito, afinal estamos lidando com encontros de motociclistas, será que somos realmente diferentes? Bom o melhor é saber que gostamos muito de nossas motos e de viver, porém, o rango que nos oferecem... Vejam só!

 

Estando nesta parte dos EUA, existem muitas coisas a serem vistas, como o Mt.Rushmore

que nos aguardava com uma equipe de televisão que assim que viu aquele grupo de Harlystas brasileiros não tardou em preparar uma entrevista, e divulgar para os americanos que existem na América do Sul, motociclistas que amam a liberdade e a legendária Harley Davidson.

 

Claro que na terra dos famosos bisontes americanos, nós não poderíamos de ir visitá-los e quem sabe tentar segurar um pelo chifre... e logicamente tentar fugir o mais rápido possível...

Chegou a hora de partir para Milwaukee para visitarmos a fábrica de motores da HD, e pé na estrada, com um a menos já que o nosso irmão LP partiu para Nova Iorque fazer uma média com a esposa, porem com muita vontade de conhecer aonde é feito o coração de nossas queridas HD’s. É claro que o nosso navegador (Peter) uma vez que outra, tem que dar umas broncas no nosso piloto Renato, para que ele siga as instruções direitinho sem sair do caminho...

 

Grande dia esperado por todos, a visita das instalações dos motores HD’s em Milwaukee. Entramos na fábrica fizemos os  nossos cadastros e com um guia na frente do nosso grupo e um cão de guarda atrás para que não tocássemos em nada, demos um giro em toda a fábrica. Realmente começou como algo super emocionante e incógnito, mas pouco a pouco a graça, o mistério e a ansiedade foram sendo trocadas por máquinas antigas, fábrica sem um ambiente receptivo, resumindo, é como se fôssemos ao maior zoológico do mundo e os guias do mundo animal nos fizessem dar uma volta em volta de todo o complexo, sem nos deixar passear pelo meio das jaulas e ver realmente como os animais são preparados, ou seja fizemos um tour externo da linha de montagem, que aqui entre nós, uma fábrica tão antiga que me fez invejar muitas fábricas que conheci no Brasil.

Fotos: Ivan

Chicago, grande Chicago...

Os Dog’s desbravaram uma das cidades mais bonitas dos EUA, nosso último ponto turístico no nosso grande tour que chegava ao fim, com muitos sentimentos de querer começar tudo de novo. Foram dias inesquecíveis para muitos Dog’s, momentos de real confraternização, amizade e respeito, onde em nenhum momento tivemos uma discussão que nos deixasse magoados mais do que quinze minutos, e claro, após estes escassos minutos é como se nada tivesse acontecido.

Para os meus irmãos: Didi, Fazzi, Hebert, Ishii, Ivan, Julio, Kappa, LP, Peter, Renato, Robertinho e Roriz, agradeço esta oportunidade de me fazerem curtir lugares, estradas e momentos realmente inesquecíveis, e principalmente o prazer de poder contar com o carinho e a amizade de verdadeiros irmãos.

Texto Baltasar.

Diretor Social e Financeiro. 

 

Hit Counter